quinta-feira, 16 de maio de 2013

Williams 35 anos - Capítulo XXI



A temporada de 1992 seria decisiva pra Williams,pois ela finalmente usaria todo soartifícos eletrônicos planejados por Patrick Head e Adrian Newey,inclusive a suspensão ativa. Essa suspensão já tinha sido usada em 1987,mas ficou na 'geladeira' até 1991,sendo testada e usada ocasionalmente, quando Patrick resolveu bolar um projeto de um carro realmente "eletrônico". Investiu muito dinheiro em parceria com a Renault para desenvolver uma suspensão ativa moderníssima,controle de tração e freios ABS e instalou no FW14,criando o FW14B. O FW15 seria usado no decorrer da temporada.


A grande vedete do carro era a suspensão ativa.Chips eletrônicos presentes embaixo do banco do piloto e em diferentes pontos do carro detecvam velocidade, rpm, inclinação do carro, e outras coisas, e faziam modificações na rigidez e na altura da suspensão. A suspensão não tinha amortecedores, e sim esferas de óleo, na qual o deslocamento do óleo entre duas partes da mesma definia a rigidez e a altura do carro.O diferencial era no gerenciamento. A Williams usava chips extremamente eficientes e modernos, e além deles, o carro fazia por meio de satélites, o monitoramento da superfície da pista, sabendo exatamente aonde ficava cada ondulação, cada problema, ponto de pouca aderência, zebras.etc. Além disso, o carro contava com um pequeno radar no bico, detectando novos problemas e repassando a informação para o carro. Esse era o diferencial da suspensão da equipe de Grove.Era um carro inteligentíssimo Mansell e Patrese estavam mantidos e prontos pra a temporada de 1992.A Mclaren de Senna mais uma vez seria a grande rival,e Frank e Head queriam muito desbancar a McLaren, que já era tetracampeã de construtores.


Em Kyalami, A Williams já mostrou sua força fazendo uma dobradinha com Mansell-Patrese, não dando chance pra Senna, que ficou em terceiro, ficando com muito esforço, a 10 segundos do segundo lugar, 34 segundo do primeiro. Mansell além da vitória fez a pole e a volta mais rápida. Em Hermanos Rodriguez no México, mais uma dobradinha Mansell-Patrese, e o terceiro dessa vez era o jovem Michael Schumacher, 21 segundo atrás do vencedor. O circo da F1 estava assombrado com o carro que se adapatava perfeitamente a qualquer tipo de ondulação, sendo muito mais estável e rápido, como qualquer outro carro do grid.


Interlagos teve, para variar, mais uma dobradinha Mansell-Patrese.E Dessa vez seria humilhante, pois as Duas Williams deram volta até no terceiro colocado, Schuamcher.  Em três corridas,a Williams já estava a 37 pontos na frente da Benneton, a segunda colocada nos construtores. Em Barcelona, Mansell vence, mas as dobradinhas são interrompidas.Na segunda posição fica Michael Schumacher, já considerado um prodígio das pistas. Em Ímola, as dobradinhas Mansell-Patrese voltam à ativa e marcam a incrível superioridade do início de temporada, pois o terceiro colocado, Ayrton Senna fica a 49 segundo do lider!



Em Monte Carlo,Em uma corrida atípica até então,Senna consegue segurar o ímpeto de Mansell e seu carro infinitamente superior e  vence em um disputa épica com Nigel Mansell que tentou ultrapassa-lo de todas as curvas no travado circuito de rua, nas voltas finais.Mas em seis corridas, Mansell tinha o dobro de pontos para o segundo colocado.Nos construtores, a Williams passeava estando a milhas de vantagem para a concorrência...



Em Montreal,Patrese e Mansell abandonam,algo inesperável até então imbatíveis Williams. Patrese saiu por problema no câmbio e Mansell bateu.  Mas isso não diminuia a vantagem, que continuava praticamente a mesma. Em Magny Cours,A Williams mostra que teve Montreal foi um pequeno acidente de percurso e faz mais outra dobradinha Mansell-Patrese, em uma atuação irretocável de Mansell. a Dobradinha foi repetida em Silverstone com facilidade. Em Hockenheim mais uma Vitória de Mansell(sem dobradinha dessa vez porque Patrese ficou em oitavo e o campeonato poderia ser decidido em Hungaroring, com cinco etapas de antecedência.o Leão tinha 86 pontos e Patrese era o segundo com o 40. Nos construtores, faltava uma etapa pra também comemorar o título de campeão.



Em Hungaroring, mesmo com a vitória de Ayrton Senna, o segundo lugar de Mansell e o abandono de Patrese com problemas no motor deu a Nigel Mansell o tão sonhado título mundial, perdido em 1986,1987,1991, anos que foi vice campeão. Nigel Mansell era campeão mundial de F1 com um carro acima da média, e faltando cinco corridas para o fim da temporada. Nos construtores, a Williams só precisava de sete pontos para faturar o titulo humilhante de construtores. E Frank deu a ordem: "Não nos acomodaremos, mostraremos a todos a nossa superioridade!". Em Spa Francochamps, viu-se a primeira vitória de Michael Schumacher na carreira.Nigel ficou em segundo e Patrese ficou em terceiro.Pronto,agora a Williams estava em festa total,com o título de um britânico nos pilotos e da equipe nos construtores.


Campeonato já decidido,buscava-se agora definir posições nos cockpits das equipes. A Renault queria ter um piloto francês na equipe,para o motor Renault poder dar um título a um piloto francês. Prost estava livre no mercado e o acerto seria fácil. Mansell seria mantido,mas o inglês, já escaldado com brigas com Piquet e com o próprio Prost na Ferrari, decidiu sair da Williams e anunciou que iria se aposentar. Patrese, chateado com o tratamento que foi lhe dado, já que ele iria ser dispensado sem mais nem menos, resolveu sair da Williams e assinou com a Benneton. Ayrton Senna também se interessou em ir pra Williams,Frank também, mas Prost acabou vetando a ida do brasileiro, já que não queria competir com ele na mesma equipe. De novo.


Em Monza, Patrese fica em quinto e Mansell abandona com problemas hidráulicos. Em Estoril, Mansell volta a vencer e Patrese abandona, em um acidente espetacular com Berger na reta, onde ele quase faz um looping.Mais uma vez Mansell dá volta no terceiro colocado, dessa vez Ayrton Senna. Em Suzuka, Patrese vence e Mansell Abandona com problemas no motor.Em Adelaide, as duas Williams abandonam,mas isso não estraga a campanha irreetocável que os dois carros tiveram.O FW14B foi tão bem que o FW15 sequer foi usado!A Williams nessa temporada teve 10 vitórias,15 poles e e 11 voltas rápidas.Com o primeiro lugar reconquistado, a Williams agora buscava a supremacia.




3 comentários:

Felipão disse...

A melhor fase da equipe, sem sombra de dúvidas...

Paulo Maeda™ disse...

A melhor fase e que finalmente Frank pode ver o resultado de tantos anos de dedicação. Eu ainda não acredito que o grande Leão era um tanto ingênuo assim estando no circo da F1... rs (ainda me lembrando do que Piquet aprontou com ele)

Dirceu Macedo disse...

Foi uma tremenda temporada....Não existem adjetivos pra definir esse foguete da Williams, sem dúvida uma jóia da engenharia moderna.

O carro era incrivel, mas apenas Mansell tirava dele todo o potencial, visto que em várias ocasiões ele botava até 2seg(!) no Patrese na classificação...e os recordes foram inumeros, acho que um perdura ateh hj! (recorde de poles em uma temporada: 14 acho)

Postar um comentário

  ©GP Séries - GO Williams GO! - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo